sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

CANTAR COM OS MAIS NOVOS

4. Cantar o quê? Repertórios e coletâneas

por Antonio José Ferreira

Escolher cânticos para a catequese ou para uma celebração é uma tarefa de responsabilidade que deve ter em conta as crianças e os laços que se pretende criar. Quando as crianças estão em larga maioria, devem ter um repertório específico, mesmo que não seja muito abundante. É desejável um repertório de cânticos para crianças, tal como há versões da Bíblia especialmente adaptadas à infância.

Ao selecionar um cântico ou canção, o catequista deve ter em conta a relação do texto com a melodia, coerência entre o canto e o momento catequético, a adaptação do canto ao grupo (com a sua idade e características). Quanto maior é o grupo, maior é a necessidade da música, do canto e do ritmo. E, embora na catequese os grupos não sejam muito grandes, nem por isso o gesto vocal deixa de ser importante.

Um bom cântico para crianças é o que "fala ao corpo, que faz ver, ouvir e sentir, que põe em movimento todos os sentidos para por em movimento o próprio sentido" (M. SCOUARNEC, La foi des enfants a besoin du chant... de tous!, in Église qui Chante 252(1990)2). Um bom cântico é o que parece novo e renovador depois de ouvido muitas vezes; o que não presta, só é novo quando se ouve pela primeira vez.

"Vários cânticos concebidos para a catequese serão bem-vindos à celebração e, inversamente, os catequistas poderão retomar cânticos do Domingo com as crianças" (Uberall, Chanter, 4). Alguns cânticos devem facilitar a sua integração na comunidade, inclusive cânticos do ordinário da missa, cânticos estáveis. Ensinar às crianças alguns cânticos da assembléia dominical é facilitar a sua integração. A conjugação entre a catequese e a liturgia far-se-á de um modo harmonioso: "a justeza é a irmã da justiça" (Thibault, Je chante, 8).

Quando estão as crianças estão com adultos em número significativo, convém equilibrar os repertórios. Há inclusive certos cânticos que foram compostos para crianças e podem ser expressão de fé para os adultos ("Quanta alegria é para mim tua presença", "Bendito sejas, Senhor nosso Pai", "Bendito és Tu, Senhor"). Cânticos compostos para crianças podem ser também expressão de adultos, e cânticos compostos para adultos podem ser expressão da fé das crianças.

Os padres e animadores litúrgicos devem fazer com que as crianças participem sempre na liturgia com alguma acção: um cântico, o ofertório, uma oração, um gesto, palmas, um instrumento de percussão.

Para as crianças, não são apropriados cânticos com um âmbito demasiado grande, com notas muito graves ou muito agudas. As vozes das crianças, que ainda não estão plenamente desenvolvidas, movimentam-se à vontade entre no espaço de uma oitava: dó e dó, ou ré e ré. Os ritmos sincopados próprios de estilos musicais nascidos do Jazz não põe dificuldades e até são do agrado dos jovens. Para estes, o tipo de canção ideal para a catequese estará mais próximo da canção ligeira.

Na preparação do ensaio de canto ou da sessão de catequese, há que ter discernimento na resposta a estas questões: cantar o quê? Ouvir o quê? O cântico adapta-se à idade das crianças? É difícil? É demasiado infantil? O acento das sílabas coincide com os acentos musicais? O canto deve exprimir corretamente a fé, fazendo a ligação entre a fé e os comportamentos morais. As paráfrases (adaptações) da Bíblia, não devem empobrecer, confundir ou distorcer a Palavra, mas antes explicitá-la.

A posição do animador ajuda a distinguir a catequese da liturgia: na catequese, o catequista está no centro; na liturgia é Cristo que está no centro. Na catequese, Deus é aquele de quem se fala; na liturgia é mais aquele com quem se fala; na catequese é um grupo que caminha e se forma; na liturgia é a assembléia formada que louva o Senhor pelas suas maravilhas e se alimenta com a Palavra e o corpo de Cristo. Mas é evidente que a catequese comporta um espaço de oração e conduz a ela; e a liturgia comporta a dimensão memorial e leva ao seu aprofundamento. A liturgia não é um apêndice da catequese, mas sua fonte, seu cume e sua meta. No que se refere à Música, a catequese é tempo de aprender e explicar o cântico; a liturgia é tempo de o cantar.

Nem todas as crianças que vão à catequese vão à missa, mas as crianças que vão à missa vão também à catequese, salvo raras exceções. A liturgia será aprendizagem de uma outra dimensão da fé cristã, a da oração comunitária. "A catequese culmina e desabrocha na celebração" (M. Thibault, Je chante avec tout mon être, in Église qui chante 252 (1990) 8).
Postar um comentário