sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

CANTAR COM OS MAIS NOVOS

Conclusão

Por Antonio José Ferreira

A música é dispensável em determinadas catequeses e celebrações litúrgicas, mas é indispensável na liturgia ou na catequese no seu todo. O canto reforça a consciência do grupo e permite um acolhimento digno da Palavra de Deus.

O canto, no texto, na música e na forma como se executa é um reflexo da Igreja, da comunidade e de si mesmo. Afirma Michel Scouarnec: "Diz-me o que cantas, dir-te-ei a tua fé!"
Tal como a catequese, ou enquanto catequese, o canto é um caminho que se percorre como experiência de Deus, uma janela que nos abre à brisa do Espírito Santo, uma ponte que nos liga ao mistério de Cristo. Na Igreja, a formação e celebração não podem viver uma sem a outra. Com base nessa premissa, o próprio canto na catequese e na liturgia andam indissociavelmente ligados.

As pedagogias musicais activas (Orff, Kodaly), dão preponderância à experiência vivida, tanto na voz como nos instrumentos, ao ritmo e movimento corporal. Promovem o desenvolvimento da improvisação, a partir da invenção de melodias simples e ritmadas, ou sob a forma de pergunta e resposta. Nesse sentido, tem aspectos em comum com a catequese. O catequista promove a participação activa e não apenas a audição, respeita os destinatários do Evangelho sem o normalizar.

A qualidade das sessões de catequese passa também por melhor formação, melhores recursos, melhores colectâneas, melhores cânticos e canções. Justifica-se assim mais investimento numa área fundamental da Igreja. Os meios disponíveis sobre canto com crianças e jovens na Internet é insignificante.

É consensual a importância que as novas tecnologias da informação e comunicação têm na tarefa evangelizadora da Igreja e na formação. Publico este trabalho julgando dar algum contributo à reflexão sobre o tema, esperando melhorá-lo com base em documentos do Magistério, e estudos psicológicos e musicológicos.

BIBLIOGRAFIA

Jouez et chantez. Pratiques musicales aujourd'hui, in Catéchèse, nº 113, Octobre 1988.
Postar um comentário