sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

CANTAR COM OS MAIS NOVOS

2. Cantar na catequese e na liturgia

por Antonio José Ferreira

Se a caminhada de fé se dirige ao ser humano na sua totalidade e não apenas à inteligência, a música pode dar um contributo fundamental nas sessões de catequese. "Todas as cordas do ser humano são tocadas no ato de cantar" (Stanislas Lalane, Jouez et chantez, in Catéchèse, 5). O canto, especialmente o canto em conjunto, "exige e opera um investimento de todas as capacidades do ser humano: o corporal, o cerebral, o sensível, o emocional, o irracional, o simbólico" (Claude Duchesneau).

Além disso, "no ato de cantar, como no ato de fé, o ouvir tem prioridade em relação ao compreender" (Jean-Yves Hameline, Acte de chant, acte de foi, in Catéchèse, 43). A fé passa pelos sentidos e, de modo especial, pelo ouvido. O canto existe para ser vivido, mas não chegará a sê-lo se não for ouvido.

Não se canta, na catequese, como na liturgia, para manter as crianças sossegadas, embora isso possa ser um efeito desejável. Canta-se porque os melhores sentimentos transbordam em poesia, porque o ritmo ajuda à memorização, porque a melodia envolve numa experiência de Deus.

O canto parte da experiência humana e deve fecundar a experiência humana, recordando o compromisso e o sentido de missão. Enquanto parte integrante da liturgia e da catequese, o canto educa as crianças e alimenta a sua fé. Os catequistas não devem, por isso, escudar-se na falta de ouvido para nunca oferecer música às crianças. Podem, ao menos, recorrer às gravações e outros recursos disponíveis, como a ajuda de um grupo de cantores já iniciados, por exemplo.

A liturgia não é catequese, nem para as crianças, nem para os adultos. Há que ser prudente para que a liturgia não se transforme em catequese. Se a catequese é essencialmente aprendizagem, a liturgia é essencialmente oração, súplica e louvor. Entre os cânticos para a catequese e os cânticos para a liturgia, há diferenças que lhes vêm da própria finalidade. O canto catequético é mais da ordem da aprendizagem; o cântico litúrgico é mais da ordem da celebração e do louvor.
O canto catequético é pedagógico; o canto litúrgico é mistagógico. O canto catequético o está ao serviço da caminhada de fé, colocando a criança numa relação de amor a Deus e de compromisso com os irmãos; e o canto litúrgico, não aprofunda também ele a fé? Todavia, o canto litúrgico e o canto catequético não são estanques. A catequese conduz à liturgia e a liturgia remete para a catequese. Na catequese também se ora, e na liturgia também se aprende.
Postar um comentário