sexta-feira, 18 de abril de 2014

Sexta-feira da Paixão do Senhor

Sexta-feira da Paixão do Senhor

Na Sexta-feira da Paixão do Senhor celebramos a Palavra de Deus, como mistério que anuncia o sentido prefigurado da morte de Jesus, elemento fundamental deste dia. É atualizada a memória da cruz, com sua estrita ligação com a ressurreição. Não é um dia de luto e de pranto, mas dia de amorosa contemplação do sacrifício cruento de Jesus, fonte de nossa salvação. Não vivemos esse dia como se estivéssemos num funeral, mas celebramos a morte vitoriosa do Senhor Jesus.
A celebração é composta de três momentos importantes:
a) a liturgia da Palavra,
b) a adoração da cruz e
c) a comunhão.

Quatro elementos ligados ao mistério deste dia são importantes:
1. O jejum (relacionado ao corpo),
2. A oração (relacionado ao espírito),
3. O vazio (relacionado ao espaço, no caso, a igreja) e
4. O silêncio (relacionado à dimensão cósmica e temporal, pois é o cosmos que será impregnado de páscoa, por isso ele aguarda silenciosamente a atuação do Espírito que faz com que Jesus ressuscite, e com ele o universo).

O espaço celebrativo deve propiciar a mistagogia (que ensine a penetrar os mistérios):
1. O lugar da reposição, numa capela ou em outro espaço, em que cada um poderá fazer sua oração pessoal, junto ao Sacramento do Corpo do Senhor;
2. Na igreja, em que a comunidade, reza reunida em assembleia, o Ofício Divino de Laudes e a Hora Média, além do Ofício das Leituras, contemplando dentro do mistério do dia o vazio, visibilizado pelo altar desnudo, as imagens cobertas, a ausência da via-sacra e da cruz e o sacrário aberto e vazio, afinal de contas, neste dia a Igreja contempla a ausência do seu esposo, mistério esse que é prolongado pelo sábado durante o dia.

A oração em comum, a oração da Igreja:
O Ofício Divino faz parte do caráter deste dia, como oração em assembleia, visto que a Igreja orienta o jejum e a oração; o jejum, porque “o Esposo lhe foi tirado”, e a oração porque a Igreja contempla nos mistérios litúrgicos e sacramentais essa ausência, através de sua paixão, morte e sepultura, em piedosa meditação, na espera do anúncio da sua ressurreição.
Os mistérios não são incorporados pela via da razão, por isso, a oração e os textos bíblicos e patrísticos que rezaremos juntos, nos ajudarão a melhor mergulharmos no mistério que celebramos, e sua finalidade pedagógica faz com que atinja nosso espírito.

Postar um comentário