quinta-feira, 24 de abril de 2014

De Rosemary Fernandes da Costa, obra reflete sobre Mistagogia hoje

Mistagogia hoje – O resgate da experiência mistagógica dos primeiros séculos da Igreja para a evangelização e catequese atuais é fruto de uma pesquisa longa, na bibliografia de referência, mas também da observação e escuta da autora nas comunidades religiosas, tanto nas escolas como nas equipes de pastoral de muitas paróquias. O objetivo é contribuir para que as comunidades encontrem caminhos para tantos desafios que vêm surgindo nos processos de evangelização que desenvolvem.
Mistagogia é uma palavra pouco usada, mas tem uma semelhança com a palavra “pedagogia” , bem conhecida de todos nós. O que muda é o prefixo. De acordo com a autora, seu sentido aponta para a atitude de conduzir para dentro do mistério, a arte de conduzir, de encaminhar, de orientar para a abertura, a escuta e as respostas pessoais e processuais ao que o Mistério nos revela e convoca.
“No Cristianismo, o mistério se revela em Cristo, então, a mistagogia é a condução sensível e carinhosa para a experiência de encontro profundo com o Deus revelado em Jesus. E esse Deus já está aí, no coração de cada pessoa, orientando, sinalizando, chamando à vida e ao bem. O mistagogo é, portanto, aquele que se coloca como mediador desse encontro, entre Deus e a pessoa; alguém que se sintoniza e vai de mãos dadas, auxiliando esse diálogo”, explica a autora.
O livro é chave de leitura para as comunidades locais, tanto aquelas que trabalham com a educação religiosa como para as que atuam na iniciação, formação e aprofundamento religioso. Além do diagnóstico, que muitas vezes nos angustia e até paralisa. Ele nos oferece uma nova (velha) compreensão da missão de evangelizar, mobiliza e motiva para repensarmos os grupos nos quais trabalhamos e participamos com um projeto fundado nas primeiras comunidades cristãs. “Quem se dedicar a essa leitura vai encontrar repouso, alimento, alegria e muita motivação para as experiências religiosas”, enfatiza Rosemary Fernandes da Costa.
No processo de elaboração da obra, a autora diagnosticou as questões presentes nas comunidades pastorais e pedagógicas que, na verdade, são próprias do paradigma moderno, no qual estamos imersos. Encontrou muitas orientações do Magistério atento às questões das comunidades: documentos tanto provenientes do Vaticano, como da CNBB. Retomou os estudos patrísticos, priorizando o final do século III e inicio do século IV, quando os Padres deram início ao Catecumenato nas comunidades. Nesta etapa, encontrou a experiência mistagógica, o coração de todo o processo catecumenal e, a partir dela, extraiu os principais aspectos que devem estar presentes em uma experiência catecumenal hoje para que seja um caminho mistagógico.
Rosemary Fernandes da Costa é doutora em Teologia pela PUC-Rio, onde também cursou seu bacharelado em Filosofia. Atualmente é professora da PUC-Rio, do Colégio Estadual Heitor Lira, e orientadora religiosa no Colégio Teresiano CAP/PUC. É criadora e coordenadora do curso de Pedagogia da Fé, no Centro Loyola de Fé e Cultura, função que também desenvolve na Arquidiocese do Rio de Janeiro. Assessora agentes de pastoral e formadores na área de Iniciação Cristã, Catequese e Catecumenato. Tem experiência na área de Teologia, com ênfase em Pedagogia da Fé.
Extraído de: www.paulus.com.br
Postar um comentário